Ai, como é estúpido! Ou a “cotismofobia”

Recentemente, as declarações do deputado federal pelo PP-RJ, Jair Bolsonaro, “escandalizaram” o Brasil. Quem diria que um deputado que se elegeu defendendo a ditadura militar, a proibição de homossexuais nas Forças Armadas e o controle de natalidade (aplicado a pessoas de baixa renda), seria capaz de pronunciar frases tão avessas ao convívio em sociedade e ao respeito pelas identidades sociais?

Espanto à parte, o que gostaria de tratar aqui não são tanto suas opiniões (ou crimes) contra os negros, mas algo que parece ter passado batido no meio de tamanho exercício de alteridade. Queria falar sobre sua “cotismofobia”.

As palavras de Jair Bolsonaro no programa CQC da Bandeirantes foram: “eu não entraria num avião pilotado por um cotista e nem aceitaria ser operado por um médico cotista”. Agora, como alguém pode se sentir seguro com um legislativo composto por Bolsonaro e companhia? O mínimo que se espera de um deputado é que ele conheça a causa que está defendendo ou atacando.

O sistema de cotas propõe que 50% das vagas nas universidades federais seja disputada por alunos egressos da rede pública de ensino. Há casos, como a UFBA, em que foram criadas subcotas nesse sistema para atender proporcionalmente a grupos específicos (negros, egressos de escolas públicas, índios etc.). Ou seja, os tais cotistas disputam entre si a entrada na universidade. Como é esse disputa? O mesmo vestibular e as mesmas provas pelas quais passam todos os ingressantes em instituições de ensino superior. Como são essas provas? Elas exigem o mesmo conteúdo de que você ou Jair Bolsonaro já devem ter se esquecido. Que conteúdo seria esse? A taxonomia das plantas, os dispositivos do Tratado de Methuen, a reação química que transforma gordura em sabão, quais são os gases nobres, e por aí vai.

Os alunos de baixa renda, que estudam nas escolas públicas, concorrem entre si e aqueles com melhor aproveitamento ingressam na universidade. Mas, como questionaria um Bolsonaro, essa concorrência entre candidatos provenientes de uma pior qualidade de ensino não vai diminuir o nível do conhecimento produzido na universidade e, consequentemente, do profissional formado? Com certeza, ó cotismofóbicos! Teremos um volume maior de médicos que não sabem os nomes das capitais dos países africanos, de engenheiros que não conhecem o Index da Igreja Católica, de jornalistas que não entendem a Lei de Ohm e, obviamente, de pilotos que jamais conseguiriam fazer decolar ou aterrissar um avião sem essas informações.

Carolina Souza

Anúncios

5 Respostas para “Ai, como é estúpido! Ou a “cotismofobia”

  1. Chego a pensar que o cotismofobismo criará uma corrida desenfreada em direção às universidades particulares, que não dependerão de cotas. Já pensou? seria legal. Melhoraria o ensino público.

  2. A fobia às cotas, como vc bem colocou, Carol, nada mais é do que uma total incompreensão de como o sistema funciona e do porque ele promove acessos mais igualitários ao ensino superior de qualidade! Mas isso os defensores da suposta “meritocracia” promovida pelo vestibular (rio sozinha só de pensar nisso!!! hahahahahaha) são incapazes de perceber! Ai, ai… só digo isso!

  3. Nada a acrescentar aos comentários da Carolina, por corretos e perfeitamente aplicados.
    Aproveito a oportunidade para perguntar: Bolsonaro… who? Quem é o cara, qual a sua importância? Qual é o peso e a significação reais de sua pessoa e do que fala? Ora bolas, tenhamos dó: não passa de mais um cabeça-de-bagre-de corporação a serviço do vetustissimo e nem por isso minimamente agonizante ” pensamento” conservador colonialista/colonizador tão característico da nossa elite. Digam-me: há qualquer novidade nas posições do dito?
    A truculência, o espalhafato ôco, a ausência de qualquer forma de sensibilidade, a arrogância típica do ignorante e sobretudo o profundo desprezo por tudo aquilo que é diferente, e o medo (sim, meeeedo) do outro, da alteridade: por acaso alguém por aqui nunca viu isso?
    Para ficar apenas num único – e triste exemplo – o último general ditador, um tal de Figueiredo, declarou que preferia cheiro de cavalo a cheiro de povo… Um horror.
    Esta espécie de pensamento bestial é endêmico entre nós.
    Mas, se é assim, pergunto: a quem interessa tanta onda em cima de um medíocre qualquer? Talvez ainda seja tempo de perguntar: qualé a sua, Marcelo Tas?

  4. Que orgulho da minha professora querida…hehehehe!!!
    Enfim,o sistema de cotas é uma forma de “democratizar” a entrada de pessoas nas universidades,porém,não eliminam o racismo e podem até mesmo produzir o efeito contrário, dando respaldo legal ao conceito de raça e possibilitando o acirramento do conflito e da intolerância.É Isso!

  5. Olha só como nem sempre damos aulas para as paredes… rs
    Concordo, Thailine, mas não podemos deixar de lutar pela criação de direitos só porque boa parte da opinião pública é preconceituosa, não entende, não quer conhecer e tem raiva de quem defende as cotas. Temos que continuar lutando para convencer as pessoas.
    Muito bom, Thailine!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s