Um rumo para políticas públicas

Acho que muitos ouvidos atentos já me escutaram contar feitos de um tal Lelé. Muitas vezes, as respostas imediatas foram olhares de desconfiança: “se ele é isso tudo que você está dizendo, por que seus projetos não vão pra frente?”, ou então “não, nunca ouvi falar!”. Ainda que pouquíssimas pessoas o conheçam, inclusive as bem informadas, não vou dedicar este poste para descrever sua trajetória. (nesta matéria se pode conhecê-lo um pouco melhor)

Carlos Lemos prestigia Lelé no lançamento do livro

Lelé, arquiteto e urbanista, carioca radicado na Bahia não é mesmo muito conhecido, mas essa semana saiu uma linda publicação sobre seu trabalho. O livro fala de obras e programas de fazer inveja em qualquer lugar do mundo. Sempre voltadas ao interesse público, o principal objetivo de Lelé é tornar a construção civil mais racional, eficiente e, acima de tudo, agradável para o usuário. Enquanto vemos muita saliva sendo gasta para cunhar o termo sustentabilidade, seu prédios, há tempos, encontravam um denominador comum entre o ambiental, o social e o econômico.

Montagem de painel pré moldado, 2004. Foto de Anália Amorim.

Rodeado por ótimas equipes, como ele mesmo faz questão de frisar, Lelé deu cor, forma e coerência a alguns dos mais emblemáticos programas públicos de qualidade, com destaque para as áreas de saúde, educação e infraestrutura urbana. Dentre os mais conhecidos, temos a Rede Sarah Kubitschek, especializada no tratamento de traumas e deficiências motoras que teve seu último hospital inaugurado ano passado no Rio de Janeiro. Último, infelizmente, não apenas porque é o mais recente, mas porque, devido à falta de apoio político, o CTRS – Centro de Tecnologia da Rede Sarah, a fábrica de Salvador, responsável pela produção de todos os componentes construtivos dos hospitais do Brasil – está na iminência de fechar.

O último da Rede Sarah?

Em 2004, Lelé já chamava atenção para a questão. Ele comparou orçamento e cronograma para a obra do hospital da Rede Sarah de Belém com os dados apresentados pela Odebrecht (uma das chamadas “grande irmãs”) e concluiu que CTRS precisava de 40 milhões e 45 dias para executar o serviço, enquanto a empreiteira pedia 130 milhões de reais com prazo de execução de cerca de um ano e meio.

Vejam, o argumento usado para  o fechamento do CTRS é falta do que produzir. POR FALTA DO QUE PRODUZIR?! Pergunto eu ingenuamente. Será que o Brasil não deve se dar ao luxo de ter uma “fábrica de prédios púbicos”, ainda mais com qualidade? A pressão que precisamos exercer sobre esse governo que parece mais lúcido e popular é que a privatização deve ter limites. Nosso país ainda é pobre e não deve oferecer lucro às empreiteiras sobre obras públicas superfaturadas.

É uma pena cairmos no mesmo senso comum quando se discute políticas públicas de êxito no Brasil – não expandem por falta de vontade política. Dando sequência a discussão iniciada aqui, busco, além de divulgar esse case de extrema qualidade, aproveitar a oportunidade para levantar mais observações a respeito de quem constrói o Brasil. Existe um grande esquema montado desde a década de 1970, quando, do milagre econômico, despontaram empreiteiras que comandam até hoje o ramo da construção civil e, com isso, parte fundamental do palco de decisões tomadas por todos os governos desde então.

Assim como estamos assistindo a uma organização ruralista supra partidária determinar o código (des)florestal, as empreiteiras, independentemente do governo, conseguem participar das decisões estratégicas de investimentos, seja a partir do Planalto ou do Congresso. Elas financiam campanhas políticas de todos os lados. E, em quase todos os casos, não participam dessa brincadeira oposição e situação. Em 2009, apenas quatro construtoras receberam 38% da receita das obras públicas.

Infelizmente, a era Lula não se desvencilhou desse círculo de relações, mas vejo uma luz no fim do túnel no governo Dilma.  Semana passada a presidenta chamou Lelé, agora presidente do IBTH, para um papo. Apenas uma matéria (péssima, por sinal) divulgou o encontro onde Dilma perguntava a ele como melhorar o programa Minha Casa Minha Vida. Como arquiteto, Lelé respondeu com um projeto (ainda não divulgado, mas já vi e é bom) e com uma frase: moradia não é apenas uma casa, é o conjunto de equipamentos e espaços públicos que torna possível habitar a cidade. Ou seja, casa, rua com esgoto encanado e água tratada, creche, escola, posto de saúde, praças, etc.

***

Um pouco mais sobre a obra de Lelé, que como qualifiquei acima é racional, eficiente e agradável.

Crouqi para ventilação natural do hospital de São Luiz do Maranhão

A racionalidade me parece óbvia já que nos projetos de Lelé o desenho arquitetônico é elaborado por completo antes da obra – pasmem, a coisa mais comum no Brasil é a obra começar enquanto o projeto não está concluído. Outro fator fundamental é a industrialização da obra, o que elimina desperdícios e a torna segura para os funcionários, pois eles são montadores e não precisam carregar grandes pesos. Todos os componentes eletro mecânicos de uso cotidiano, tais como macas, elevadores, ventiladores, etc., são produzidos na unidade de Brasília e distribuídos para os demais hospitais do Brasil.

Lelé mostrando a produção das macas, carrinhos, elevadores, etc. Foto de Anália Amorim.

Eficiente, pois são projetados para utilizar iluminação natural e ventilação passiva (ou com o mínimo possível de ar condicionado). As obras contam ainda com todos seus componentes elaborados nos mínimos detalhes, pré fabricados e levados prontos para a obra, fazendo com que o tempo de mobilização do canteiro caia barbaramente. O sistema de ventilação natural permanente elimina a estanqueidade dos ambientes, fazendo com que os hospitais tenham um baixíssimo índice de infecção hospitalar. Ou seja, o ar circulante e não estéril dificulta a procriação e fortalecimento de bactérias e outros organismos nocivos à saúde do paciente.

Conforto ambiental: Paisagismo, vaporização de água e captação de ventos dominantes.

Os edifícios, por fim, são extremamente agradáveis para quem os usa, tendo em conta que, além de respeitar os parâmetros de conforto ambiental (temperatura amena em qualquer época do ano, com luz natural e tratamento acústico), os hospitais, escolas e demais prédios contam com paisagismo de qualidade, fundamental para manutenção da umidade relativa do ar. Finalmente, as obras de arte são também responsáveis pela amenização do ambiente hospitalar, normalmente tão tenso e inóspito, ou pela alegria das paredes de uma creche.

Muro de creche com arte de Athos Bulcão

Se empolgar no papo de arquiteto ainda tem essa conversa aqui, com o Reginaldo Ronconi, da FAU USP.

Por Calasan

Anúncios

4 Respostas para “Um rumo para políticas públicas

  1. Putz Calasan,
    Finalmente consegui ler esse texto. Muito bom! Por isso que eu to revoltado com o enterro da Castelo de Areia. Tivemos a chance de entender como funciona o Brasil das empreiteiras e o nosso grande STF barrou mais um vez! De novo ficamos só na especulação e ninguém se indgna contra o STF! Não causa escândalo, não dá na mídia, não existe discurso moralista, nada! E assim continuamos desviando questões tão importantes para a construção do Brasil que queremos.
    Parabéns pelo texto e por me apresentar o Lelé. Não o conhecia e já quero que ele seja ouvido seriamente pela presidenta!
    Valeu!

  2. muito bom seu texto!
    tardo mas nao falho, só li hoje bela iniciativa de explicar lelé aos não arquitetos e melhor explicar a cagada toda.
    no pasquim o Ivan lessa tinha a coluna Gip-Gip Nheco Nheco… e sempre lançava umas frases de efeito geniais…
    uma delas é:
    “de uma forma geral, só temos uma coisa a temer: a coisa de uma forma geral”
    e num é que o figura tava certo?!

  3. Cacá, é vc? (teclado sem acentos)
    Adorei o texto. Muito bom, direto e de fato informativo.
    Eu sou uma crítica ferrenha ao projeto “Minha casa, minha vida” e por isso esse tema me interessa.
    A minha principal crítica tem a ver com a sobreposicão de um projeto de construcão popular que lidava diretamente com os planos diretores das cidades em detrimento disso daí que está colocado. Um projeto de especulacão imobiliária. Isso está para além das críticas sobre construtoras e a autonomia que elas ganharam para decidir quais casas e para quem elas irão construir.
    Por isso ainda sou um pouco cética em relacão a entrada de pessoas melhores ou piores na gestão do Minha casa minha vida II. Mas,…só nos resta esperar (ou pressionar?)
    Para não ser fatalista e fazer a crítica pela crítica, é importante ter outros modelos viáveis. Então gostaria de compartilhar com você o site do Coletivo Usina, coletivo de arquitetos que prestam acessoria técnica a grupos populares de construcão civil (sim, eles existem), que em alguns lugares, levam as obras de grandes de licitacão de moradia popular (como no caso da Comuna de Jandira). A proposta é que os próprios moradores participem da gestão do projeto arquitetônico e em multirões de construcão, sendo remunerados por isso. Enfim, uma iniciativa muito boa, eficiente e que foi chutada do projeto inicial do “Minha casa, minha vida”.
    Segue o site: http://www.usinactah.org.br/index.php?/apresentacao/arquitetos
    beijos beijos

  4. Pois é Zé, o castelo de areia foi um dos poucos casos QUASE desacortinados e também foi enterrado.
    Aline, conheço sim, o Usina tem um excelente trabalho, de ponta mesmo. Não soube como foi essa tentativa deles de participar ativamente do ‘minha casa’. Minha crítica a esse programa é parecida à que faço ao bolsa família: são programas que incluem cidadãos no ciclo econômico e não sócio ambiental. Ou seja casa é casa, e não tem qualitativo? Bolsa é grana, a inclusão por renda tira sim muitas pessoas da miséria, mas o próximo passo deve ser para qualificar o que pode ser consumido com essa grana.
    Mas pressionar é o caminho, porque o grande benefício que esses dois projetos trouxeram foi colocar renda e moradia para elimiar a pobreza como pautas urgentes dignas de levantar governos. Agora os programas tem que ser sintonizados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s