A mídia que estupra

Quem não se lembra do filme The Accused (1988 – Jonathan Kaplan), protagonizado por Jodie Foster, que consagrou a atriz por uma interpretação notável? Filme aclamado pela crítica, impactante e polêmico em sua essência, narra a história de uma jovem, Sarah Tobias, que, após uma noite de diversão com as amigas, é estuprada por vários homens nos fundos de um bar. No desenrolar da trama, com o auxílio de uma advogada, Sarah, que no início é vista como “responsável” pela violência, consegue a condenação de seus agressores, reafirmando a tese de que, independente do flerte, da bebida, das roupas ou de qualquer outra coisa, estupro é sempre estupro. No enredo, vitoriosamente prevalece a máxima: sim significa sim e não significa não! Durante o julgamento, entretanto, outros agravantes foram mobilizados pela advogada para condenar também os cúmplices daquele terrível caso: o estupro de Sarah morbidamente contou com uma platéia entusiasmada que, aos gritos, incitava o ato de violência. A cada novo agressor, a platéia pedia “bis”.
Para quem esteve ligado nas redes sociais no último domingo (15/01/12), sabe que a lembrança do filme não é fortuita. Desde ontem, o assunto do suposto estupro sofrido por Monique em rede nacional no Big Brother Brasil não sai de nossas cabeças e nem de nossas timelines. A cena, para quem viu no pay-per-view, enoja, deprime e indigna. Uma mulher, desacordada e vulnerável, tem o seu corpo violado e invadido por alguém que, ao que tudo indica, não foi convidado. Aparentemente sem consciência e sem meios de reagir, a vítima estava entregue ao seu agressor, Daniel, em frente às câmeras, à equipe técnica e à enorme platéia do outro lado da televisão e do computador.  Aquilo que era feito nos fundos de um bar perde os seus “pudores” e se torna diversão pública e explícita na TV.
Muitas questões têm surgido desde que a cena virou polêmica nacional: Monique sabia o que estava acontecendo? Ela compartilhou as carícias de Daniel? Houve sexo? Ela se lembra do que ocorreu? A despeito dos comentários moralistas, machistas e misóginos – que me recuso a discutir, pois já estou farta de tentar argumentar com quem insiste na imbecilidade – outro fato me chamou a atenção: o papel da platéia nesse “show de horrores”. Quem estava presenciando a tudo e nada fez? A responsabilidade do ato, além de Daniel, se ficar comprovado o estupro, deve ser estendida a quem mais? Assim como os espectadores do estupro no filme The accused, qual o papel da maior emissora de TV do país no caso?
Nas cenas do dia seguinte, Monique dava indícios de que não sabia exatamente o que havia ocorrido na noite anterior. Intrigada, após ter sido chamada no confessionário, pergunta à Daniel o que, de fato, acontecera naquela noite. O brother nega o sexo, dizendo que foram apenas beijos e umas passadas de mão, e claramente se esquiva do assunto.
Monique, confinada em um reality show, sem contato com o mundo exterior, não sabe que o Brasil discute seu suposto estupro. Possivelmente violentada enquanto dormia, ela é também “violentada” pela produção do programa, quando esta se nega a informá-la exatamente sobre que está ocorrendo. Omissão grave, já que esta era a equipe a quem a participante confiou sua segurança, ao aceitar participar do programa, um ambiente teoricamente controlado e protegido por regras e parâmetros de bom senso, garantidores, ao menos, da integridade física dos jogadores. Entretanto, a produção se abstém de dizer o que de fato está acontecendo e deixa Monique, mais uma vez, à mercê de seu eventual algoz. Embora ela tenha direito à verdade, ela continua indefesa na escuridão, como a do quarto em que estava na noite de sábado, permanecendo também na insegurança das camas compartilhadas do programa. Daniel, já anteriormente acusado de ter se aproveitado de Mayara, segue ileso pelos corredores da casa e sequer é questionado pelos responsáveis do reality show. Monique parece ser vítima duas vezes.
Independente da posterior averiguação do caso e da condenação ou não de Daniel, existe um cúmplice a quem não se pode negar a culpa: a Rede Globo de Televisão. A emissora, na madrugada do domingo, reconheceu as evidências de um possível crime (no plantão de notícias do pay-per-view os responsáveis pelo programa escreveram que estava “rolando um clima”, mas que a “loira não se mexia”), se utilizou dessas evidências para alavancar o seu ibope, incitando os telespectadores a continuarem a assistir às cenas, mas, em momento algum, tentou (ou desejou) interromper o ato. No dia seguinte, diante da polêmica e dessas evidências, se absteve, ainda, de revelar à Monique o que ocorrera, negando assim o direito essencial da participante de decidir se devia prestar queixa à polícia ou não.  Os produtores, cúmplices da suposta violência, ao esconderem as cenas de Monique, negaram-lhe, entre outras coisas, o direito de realizar o exame de corpo de delito, instrumento fundamental na comprovação da agressão. E quem se responsabilizará por isso?
O histórico de barbaridades no BBB já não é novo, mas quais serão os limites do programa após um suposto estupro em cadeia nacional? Como será interpretada pelas autoridades públicas e pelos telespectadores a omissão da Globo diante do caso?  A emissora, de forma tirânica e desleal, seguiu com o espetáculo, reduzindo o episódio, através de seu fiel porta-voz, Pedro Bial, a “muito amor”. Através de uma edição impregnada de machismo e, por que não, de moralismos arcaicos, deixou Monique à mercê da situação e sequer prestou contas ao público, que ainda debate intensamente nas redes sociais a saída/punição de Daniel. Como uma concessão pública, que serviços à comunidade são prestados por essa emissora de TV? Qual a responsabilidade social da Rede Globo com seus telespectadores? Ou ainda a pergunta que nos atormenta a cada dia: o que tem sido e para quê tem servido a grande mídia no Brasil?
Nesse sentido, a pressão e as críticas dos brasileiros e telespectadores é cada vez mais fundamental na mobilização de forças não somente para a solução desse caso, mas também na construção de uma nova mídia.

Ana Flávia C. Ramos

Anúncios
Nota

Sócrates Brasileiro

sócrates brasileiro sampaio de souza vieira de oliveira
deu um pique filosófico ao nosso futebol
o sol caiu sobre a grama e se partiu
em cacos de cristais
as cores vestiram os nomes
e fez-se a luta entre os homens
até os apitos finais

a história não esquece que a bola se negou
mas chorou nosso gol
e vai se lembrar para sempre da beleza
que nada derrotou
mas quem será que diz quem venceu
no país em que o ouro se ganhou e perdeu?
(derreteu)

o futebol é a quadratura do circo
é o biscoito fino que fabrico
é o pão e o rito o gozo o grito o gol
salve aquele que desempenhou
e entre a anemia a esperança
a loteria e o leite das crianças
se jogou

com destino e elegância dançarino pensador
sócio da filosofia da cerveja e do suor
ao tocar de calcanhar o nosso fraco a nossa dor
viu um lance no vazio
herói civilizador
(o doutor)

poesia: Zé Miguel Wisnick

imagem: Caco Bressane

Fora Repressão! Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça

Plenária com quase 3 mil estudantes no dia 09 de novembro de 2011 debate a truculência da polícia referendada pelo Reitor Rodas.

Repressão e movimento social – Pode polícia no campus?

Fora PM (Fonte: Por ora, desconhecida)

Na noite da última terça-feira, dia 01/11, a assembleia geral dos estudantes da USP deliberou ocupar o prédio da reitoria da universidade. Esta ocupação é uma continuidade da ocupação da administração da FFLCH, meio pelo qual os estudantes vêm desde quinta-feira passada se manifestando pelo fim do convenio entre USP e PM firmado pelo reitor João Grandino Rodas em setembro.

            O confronto ocorrido entre estudantes da USP e a Policia Militar teve início após a prisão de três estudantes que portavam maconha no campus da universidade. Durante a condução dos mesmos à delegacia, centenas de estudantes cercaram o carro da polícia para tentar impedir a detenção. A intensa discussão entre alunos e PMs terminou em confronto com direito a gás lacrimogênio, cassetetes, pedras e chutes.

            De lá pra cá meu desgosto só cresce com relação à mídia, estudantes reacionários e demais legalistas que se esforçam em fazer uma leitura absolutamente simplista e limitada da questão afim de deslegitimar o movimento que vem sendo tocado por esses estudantes. O tom com o qual a questão vem sendo abordada, ridiculariza o movimento, desvia a atenção das pautas levantadas e apresenta os manifestantes como filhos maconheiros da classe média. Enquanto isso, para qualquer pessoa que esteja um pouco mais interessada nos fatos e nas questões que deles foram levantadas, fica claro que os estudantes da USP que resistiram à ação policial pelo direito de fumar maconha não estão em busca de privilégios: a mobilização é pelo fim da militarização e do proibicionismo dentro e fora do campus.

            De fato as duas questões levantadas: militarização e proibicionismo, se apresentam como problemas centrais da realidade brasileira e os acontecimentos universitários da última semana só fazem sentido se pensados de maneira ampla.

Polícia e Ditadura Militar (Fonte: Portal do Sindicato dos Químicos de São Paulo)

           Por um lado, a PM no Brasil, cuja estrutura atual é presente da ditadura militar, se constitui na força policial mais violenta do mundo, autora de torturas e assassinatos em massa principalmente nas periferias do país. Por outro, vemos a falência da injustificada legislação proibicionista vigente no Brasil há quase 100 anos. A combinação desses dois absurdos é uma polícia repressiva absolutamente violenta que, gozando de ampla legitimidade, coibi livremente práticas culturais recreacionais que não afetam ninguém senão seus próprios consumidores.

            As reivindicações destes estudantes da USP estão longe de defender a universidade como território de exceção ou livre das leis. Pelo contrário, o que elas buscam é, ao reagir sobre a ofensiva militarizada dentro da universidade, questionar também o poder, repressão e controle social se conjugam num contexto mais amplo e extremamente injusto.

            Quando nos vemos diante dos últimos fatos ocorridos na USP deveríamos parar para pensar o óbvio: se, em plena democracia, é possível essa truculência com universitários de classe média, o que não se faz com negros e pobres das periferias do país e que não são de interesse de ninguém, muito menos da mídia? Ao contrario, preferimos debochar dos movimentos sociais como subterfúgio para nos omitir das questões de violência, opressão e criminalização da pobreza. Nos escondendo atrás do “estou fazendo a minha parte”, continuamos no nosso individualismo burguês sendo cúmplices dessa política opressiva e classista.

Por Thamires Regina Sarti Ribeiro Moreira, feminista, historiadora, vive na Moradia Estudantil da Unicamp e estuda drogas e prostituição na capital carioca da Bèle Époque.

Autora convidada para o TabnaRede

A Autonomia da USP! – O caso da FFLCH

Depois do episódio grotesco da última quinta feira, estive buscando quem pudesse me dar um panorama do que realmente rolou… sabemos o que não esperar da imprenÇa golpista, mas escutei pessoas que estiveram lá presentes relatarem a ordem dos acontecimentos. Pesquisadores da própria FFLCH inclusive, concluindo que a PM foi armar o circo planejado pelo reitor e a estudantada caiu na onda, fácil fácil… e nosso governador Geraldinho… tinha o discurso armado (em todos os sentidos), claro.

Mas tudo isso é  fofoca. O que importa vem abaixo, com sua licença, caro Lincoln, publicarei seu texto que recebi no facebook de um amigo.

 

A Autonomia da USP!

Lincoln Secco, Livre Docente em História Contemporânea na USP

Não é comum ver livros como armas. Enquanto no dia 27 de outubro de 2011 a imprensa mostrou os alunos da FFLCH da USP como um bando de usuários de drogas em defesa de seus privilégios, nós outros assistimos jovens indignados, mochila nas costas e livros empunhados contra policiais atônitos, armados e sem identificação, num claro gesto de indisciplina perante a lei. Vários alunos gritavam: “Isto aqui é um livro!”.
Curioso que a geração das redes sociais virtuais apresente esta capacidade radical de usar novos e velhos meios para recusar a violação de nossos direitos. No momento em que o conhecimento mais é ameaçado, os livros velhos de papel, encadernados, carimbados pela nossa biblioteca são erguidos contra o arbítrio.
Os policiais que passaram o dia todo da ultima quinta feira revistando alunos na biblioteca e nos pátios, poderiam ter observado no prédio de História e Geografia vários cartazes gigantes dependurados. Eram palavras de ordem. Algumas vetustas. Outras “impossíveis”. Muitas indignadas. E várias poéticas… É assim uma universidade.
A violação da nossa autonomia tem sido justificada pela necessidade de segurança e a imagem da FFLCH manchada pela ação deliberada dos seus inimigos. A Unidade que mais atende os alunos da USP, dotada de cursos bem avaliados até pelos duvidosos critérios de produtividade atuais, é uma massa desordenada de concreto com salas superlotadas e realmente inseguras. Mas ainda assim é a nossa Faculdade!
É inaceitável que um espaço dedicado á reflexão, ao trabalho, à política, às artes e também à recreação de seus jovens estudantes seja ameaçado pela força policial. Uma Universidade tem o dever de levar sua análise crítica ao limite porque é a única que pode fazê-lo. Seus equívocos devem ser corrigidos por ela mesma. Se ela é incapaz disso, não é mais uma universidade.
A USP não está fora da cidade e do país que a sustenta. Precisa sim de um plano de segurança próprio como outras instituições têm. Afinal, ninguém ousaria dizer que os congressistas de Brasília têm privilégios por não serem abordados e revistados por Policiais. A USP conta com entidades estudantis, sindicatos e núcleos que estudam a intolerância, a violência e a própria polícia.
Ela deve ter autonomia sim. Quando Florestan Fernandes foi preso em 1964, ele escreveu uma carta ao Coronel que presidia seu inquérito policial militar explicando-lhe que a maior virtude do militar é a disciplina e a do intelectual é o espírito crítico… Que alguns militares ainda não o saibam, é compreensível. Que dirigentes universitários o ignorem, é desesperador.

Lincoln Secco
Universidade de São Paulo (USP)
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) – Departamento de História
Av. Professor Lineu Prestes, 338
05508-900 – São Paulo – SP – Brasil

Às ruas… Contra o Baixo Astral (continuação)

Caros leitores, Aqui vai minha resposta ao debate travado na último segunda-feira. Tudo que está entre aspas são recortes de comentários feitos no texto anterior e podem ser lidos na íntegra aqui.
  1. Quem leu o texto completo teve a oportunidade de saber que eu disse que são vários os grupos acampados na Praça da Catedral e que dentre eles, está o grupo Anonymous, mal definido por mim como um grupo de “hackers”, tendo em vista que “hackerativismo” quer dizer mais do que a palavra usada no post e realmente contempla o link postado nos comentários por “Fernando”. Além do mais, ocupar praças e debater com a sociedade não se resume em dizer que se tratam de “hackers”.
  2. Por se tratar de um coletivo sem centralidade, entendo que nem todos os Anonymous, nem todos os acampamentos são a favor de coisas como Ficha Limpa ou ainda acampam contra a corrupção. Meu relato se restringe ao movimento de Campinas, mas pode ser útil para pensar outras localidades.

Ocupa Campinas

3. Eu estive no Acampamento por mim mesma. E eu fiz a foto que coloquei no post, que está por mim assinada. Pois bem, isso derruba todos os convites de “visite o acampamento e verá que é diferente”. As informações que debato no texto foram colhidas lá: li cartazes, troquei idéias, o que inclusive levou um de vocês a escrever em caixa alta “”EU JÁ NÃO TE EXPLIQUEI QUE…”. Quem está mal informado são os comentaristas, visto que há vários indícios no próprio post e vindo dos próprios militantes que derruba a tese de que “”hahahahahaha desinformada!”

4. “O acampamento tem autorização da prefeitura e da SETEC para ocupar a praça… mais do que isso, tem apoio da POPULAÇÃO.” Era exatamente esta idéia que eu gostaria de problematizar, ter apoio da prefeitura para acampar quer dizer pouca coisa diante do meu argumento que foi o de destacar a importância de se ocupar espaços públicos, de se fazer movimento social a despeito das leis, nem sempre feitas para contemplar a população e raramente aplicadas a todos. A desobediência civil é parte histórica do ativismo por alargamento de direitos e contra movimentos imperialistas, como foi o ato conhecido como o A20, ocorrido em 2001.

5. Em minha visita ao acampamento, me foi oferecido assinar um abaixo-assinado e pelo afastamento do prefeito Demétrio, por sua vez já afastado, e pelo Ficha Limpa. Portanto, não é verdade que “Pensamos em sistema financeiro, em filosofia de vida e não em ficha limpa.” Sou contra o ficha limpa e não esperava uma bandeira como essa de um movimento organizado por jovens e que se diz libertário. O projeto de se limitar os nomes de candidatos a cargos públicos nada mais é do que uma tentativa de tutelar o povo que, na visão de quem o defende “não sabe votar não é o pobre e sim o geral.” e, portanto, não seria capaz de pensar por si mesmo. Assim, o grupo que se diz libertário, que divulga em seu vídeo que “procura estimular a população a formular suas próprias idéias” defende também a bandeira de se eleger alguns como sendo mais libertários que os outros e acaba por sugerir a submissão do povo aos seus próprios interesses, que podem ser democráticos e populares, ou não. Pelo visto, ou não.

6.  Voltando ao “EU JÁ NÃO TE EXPLIQUEI QUE O UNICO MODO DE MUDAR A SOCIEDADE REALMENTE E DESTRUIR O SISTEMA CAPITALISTA É RETIRAR DOS POLITICOS O CARGO DE INTERMEDIARIO DOS PROCESSOS DECISÓRIOS LEGISLATIVOS, PERMITINDO QUE A SOCIEDADE DECIDA POR SI MESMA, DE FORMA DIRETA?”

Não. Não adianta mudar a forma do Estado enquanto a organização social e política for capitalista, mas deixemos isso para especialistas.

Ou melhor, não deixemos. A única forma de mudar a sociedade é por ela mesma, com autonomia e liberdade das classes subalternas. Caso contrário, quando grupos nascem e acreditam espalhar a verdade e eximem o povo da autonomia da própria transformação, geram estados totalitários, como a história já mostrou.

7. “No nosso grupo temos até morador de rua,”

O que dizer desse comentário? Até morador de rua! O leitor desse comentário deve considerar isto inusitado?

Agressões Pessoais e atentados contra a liberdade de expressão por parte do grupo Anonymous de Campinas

A princípio, eu não pensei em destacar as agressões. Elas são a forma que toma a birra quando a pessoa se sente contrariada e tinha esperança de que, ao passar a raiva, o debate de idéias livres e libertárias teria início. Como isto não ocorreu, vamos aos xingamentos:

8. “voce é digna de risadas, patética.”

Como se responde isso? Com “boba, feia, chata e fedida”?

9. “Qualquer comissionada ou pessoa com interesse econômicos partidários (no caso nitidamente o PT) pode escrever….”

Minha biografia é de fácil acesso, eu escrevo textos, dou minha opinião, tenho Curriculum Lattes, tenho perfil no Facebook. Para tomar conhecimento dela, não se requer acesso a banco de dados privilegiados, como disse um comentarista. Vejo que descobriram meu nome completo! Vejo que viram que sou militante do Partido dos Trabalhadores, algo que nunca escondi! Pois eu também trabalho para a fundação da entidade como historiadora e não sou comissionada, como afirmaram. E sim, qualquer um pode escrever e usar a internet: comissionados, historiadores, libertários, Anonymous, jogadores de futebol, donas de casa, e por aí vai. E que bom, ou não?

Milito num partido fundado em 1982 pela classe trabalhadora. O Partido dos Trabalhadores nunca fugiu da luta pela democracia, pelos direitos sociais e é parte constituinte da república ainda em construção que clama por participação popular e não pelo abandono das instâncias de poder; que não se furtou de se apropriar do feminismo e da luta contra a homofobia desde sua carta programática; está à frente dum projeto político que tirou 15 milhões da miséria, estes sujeitos que vocês acreditam proteger ao dizer que eles “não sabem votar”. E exijo respeito por minha escolha política;

Faço minha militância fora do horário de trabalho, o que me fez postar o texto à 1 da manhã da madrugada anterior e a resposta apenas 24 horas depois.

No entanto, levantar meus dados como vocês fizeram se parece com a prática da Polícia Política. O Departamento de Ordem Política e Social, dos anos 1960 e 1991 usava desse expediente, levantar dados sobre militantes de esquerda e persegui-los (tortura-los) até que desistissem do projeto político. Vocês não deixaram nada a desejar para a polícia da Ditadura Militar brasileira, contra a qual os militantes do PT lutaram arduamente contra. Além de levantar meus dados, me enviaram centenas de email com o conteúdo: WE ARE ANONYMOUS, WE NOT FORGIVE (Somos Anonymous, não perdoamos). Alguns vírus tentaram se instalar no meu HD. Vejo que o ativismo na internet de vocês se voltou contra mim porque não concordo com alguns dos seus pontos de vista. Fui eleita inimiga por não concordar? O objetivo das ameaças é me botar medo? É me calar?

Informo orgulhosa que isto ainda é um país livre e que a liberdade de expressão me é garantida, como a de vocês. Nenhum dos comentários no Tabnarede foram apagados ou censurados. A liberdade de vocês é tão importante quanto a minha. E não é porque eu sou filiada a um partido político que eu não posso desfrutar da liberdade de dizer o que eu penso, escrever, opinar e discutir. Nem eu, nem os outros 1 milhão de filiados.

10. “Eu acredito bastante na luta por uma sociedade mais igualitária.”

Este comentário foi o mais legal! A luta por uma sociedade mais igualitária é a luta de todos nós, os da esquerda, os não partidários, os libertários. E foi isto que me moveu a escrever o primeiro post. Preocupada com o avanço de pensamentos conservadores e reacionários eu visitei a ocupação para me encher de esperança. A frustração de ver bandeiras como Ficha Limpa e a celebração de um golpe que a ala mais conservadora da cidade de Campinas (herdeira dos cafeicultores escravistas) proferiu contra o estado democrático foi grande. Ao elencar as coisas que vi, eu desejei estar errada e que as demandas por liberdade aparecessem na indignação dos comentários. Ledo engano, o pensamento reacionário avançou com os muitos comentadores, em agressões pessoais, xingamentos, para não falar das ameaças que recebi por email. Aos que me ameaçaram com objetivo de me calar, aviso: NO PASSARÁN!

Comício pelas Diretas Já, na Praça da Sé, 25 de janeiro de 1984 (Foto: Oswaldo Palermo)

Glaucia Cristina Candian Fraccaro

Às ruas… Contra o Baixo Astral!

Buzine contra Corrupção! Manifestantes na Avenida Francisco Glicério (A foto é minha mesmo)

Depois de receber muitos convites pelas redes sociais. Depois de Occupy Wall Street. Depois do texto que eu escrevi há tempos. Pois bem, achei que devíamos voltar nossa atenção para o Acampa Campinas (não tem link pois não encontrei nada que não fosse do Facebook ou do Orkut). Trata-se de um movimento que consiste em acampar na Praça da Catedral (um lugar tradicional de manifestação dos movimentos sociais de Campinas), formar um coletivo apartidário, fazer flashmobs contra corrupção e pedir o afastamento do prefeito da cidade de Campinas, Demétrio Vilagra, do Partido dos Trabalhadores, por sua vez, já afastado pela Câmara Municipal há vários dias. Os manifestantes pertencem a um grupo conhecido como Anonymous, mas há outros grupos de jovens que também aderiram ao movimento.

Vou poupar o leitor da descrição minuciosa mas já aviso que esse texto é mais sobre Campinas que sobre o resto do mundo. Ou não?

A minha surpresa foi muito grande. Eu achava que não era possível que jovens que se deram ao trabalho de se organizar e ocupar a praça pública pudessem estar tão voltados a causas tão conservadoras. Não vou aqui me ater as ausências, não há um zine, uma rádio livre ou qualquer meio de comunicação que os registre que não seja a grande imprensa. Registro não é pouco, é o que fica, é o que marca e o que acumula para próximas ações, mas eu disse que não ia criticar por ausência de ação.

Os Anonymous e os demais grupos que acampam na Catedral reivindicam que a corrupção não pode acabar com o Brasil (assim, muito Brasil, quase nacionalismo) e pregam a aprovação do Ficha Limpa. E eu me pergunto, o que é corrupção? No sentido mais político, segundo Houaiss é:  “emprego, por parte de grupo de pessoas de serviço público e/ou particular, de meios ilegais para, em benefício próprio, apropriar-se de informações privilegiadas, acarretando crime de lesa-pátria”.

Eu já sempre achei estranho grupos que se organizam por meio da desobediência civil terem gostado tanto de lutar contra corrupção. Afinal, acampar na praça pública sem autorização da prefeitura é usar de algo público de forma ilegal. Eu não acho que isso impede um movimento legítimo de ocupar a referida praça, só acho que a bandeira deslegitima a desobediência civil. A praça é do povo como o céu é do condor, dizia o poeta. O espanto maior é ver que ali se reivindica a identidade Anonymous, hackers que promovem várias ações na internet, dentre elas planejam acabar com o Facebook ainda este ano, plataforma que, contraditoriamente, usam para se organizar em Campinas.

E segue! Eles são pelo Ficha Limpa, um projeto de lei que, no mínimo, tutela a população como se ela não soubesse votar, como se não fizesse escolhas de acordo com os próprios interesses. Isso partir de setores mais conservadores, eu entenderia, mas de um movimento de jovens acampados?

A bandeira “Fora Demétrio” também causa espanto. Depois de quase vinte anos em que a direita não vence uma eleição em Campinas, assumiu o poder de forma para lá de controversa, na última semana. A cassação do ex-prefeito Hélio não é a mesma coisa que um afastamento, mas aí é outra história. O que impressiona é a juventude tomar de pronto a pauta dos grandes jornais da região e não se preocupar com a correlação de forças envolvida num processo em que a direita assume a prefeitura sem ter vencido as eleições (com apoio do PSOL, mas esta conversa é outra); houve um tempo que o inadmissível era isso! Quem ganha e quem perde com o afastamento do Demétrio? Para o acampamento, pouco importa. O que importa é lutar pela moralidade na política. Moralidade?

Lutar por mais participação política não é mais pauta de movimento social da juventude, tendo em vista que ainda é uma parte da sociedade alijada de políticas públicas? Transferir a culpa das mazelas políticas a todos políticos parece ser tarefa bem mais fácil do que compreender que a república brasileira, recém fundada e em pleno processo de construção, clama por participação popular num governo de esquerda que jamais fechou o canal de diálogo, nem mesmo com parte da sociedade que não é organizada, como nas Conferências Nacionais.

A impressão que temos de que a sociedade saiu às ruas em 2011 precisa ser analisada com mais calma, não pode ser tomada como a expressão de indignação de um povo. Parte dessas manifestações encontra o apoio da mídia corporativa e não parece estar atenta a questões populares.

Junte tudo: um movimento apartidário, mas que não é autônomo, quase nacionalista, que luta pela moralidade, que saiu na capa da Veja (e não foi como Tática da Baderna, notem bem) e “está nem aí” para a participação popular. Que resultado deu aí?

Glaucia Fraccaro